António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

Ai a sanidade mental…

Setembro 21st, 2020

As aulas regressaram e as escolas estão diferentes. Para o bem de todos. Um conceito difícil de entender: o bem de todos.

Dizíamos, não há muito tempo, que o Mundo ia mudar. Mas está na mesma, ou pior, porque o bem de todos passa ao lado.

Surpreende-me o pânico latente em muitos pais, com o início do ano lectivo. Com o risco dos filhos contagiados? Não. (seria legítimo, mas não).

Com o risco para a sua “sanidade mental.”

(as palavras não são minhas)

Mas expliquem-me isso da sanidade mental.

“As creches não deviam ter aberto, por causa da sanidade mental das crianças. Vão ficar traumatizadas.”

O meu filho de três anos, entra na creche feliz, aos saltos, mal se despede do pai. Ao fim do dia, quer ficar a brincar mais um bocadinho.

Expliquem-me o trauma nesta criança feliz. E nos amigos dele.

O mais velho (8 anos, 3º ano) regressou às aulas na semana passada. “Então, filho, a escola está muito diferente?”

“Não, está na mesma.”

(vamos fazer aqui uma pausa e ler novamente a frase acima…)

Os traumas sempre existiram. Os medos, as inseguranças, sempre estiveram lá.

Na primária, eu levava uma reguada por cada erro ortográfico num ditado. Pumba! Talvez por isso era raro dar um erro. Talvez por isso continue a irritar-me tanto quando vejo um erro ortográfico.

No ciclo, eu tremia de medo das aulas de trabalhos manuais.

No secundário, tinha pesadelos com trigonometria.

Na faculdade, panicava com estatística.

Os adultos esquecem-se muitas vezes que a sua percepção da realidade é muito diferente da das crianças. As prioridades, as ordens de valores, são diferentes. Na maior parte dos casos, aquilo que para nós é um bicho de sete cabeças, para eles é simples.

O crescimento tem muitas quedas, muita dor, muitos pontos cosidos a agulha. Não há volta à dar, ou contrariamos a ordem natural das coisas.

A “sanidade mental” deles passará, certamente, por outros caminhos que nós até já percorremos, mas esquecemo-nos.

Cidadania: sermos “apenas” melhores pessoas

Setembro 14th, 2020

Ponto prévio: sou um gajo um bocadinho inclinado para a Direita, Cristão convicto e praticante. Já fui militante do PSD.

Por isso… (pausa para respirar fundo) fico agastado quando vejo a tentativa de associar a disciplina de Cidanania à Esquerda. Os conteúdos e os objectivos abordados não deviam ser de Esquerda ou Direita, desta ou daquela religião, deviam ser da Humaninade.

Acredito que, apesar de eventuais falhas, a disciplina de Cidadania tem mais virtudes que defeitos. E, essas virtudes, espero eu, vamos vê-las daqui a uns anos:

– quando juízes deixarem de por à solta homens que agridem violentamente as suas mulheres;

– quando desaparecer o provérbio “Entre marido e mulher, não se mete a colher…”

– quando deixarmos de acordar com notícias de pretos que são agredidos, assassinados, enquanto ouvem “vai para a tua terra”;

– quando acabarem as perseguições e espancamentos a transexuais, que acabam a morrer lentamente num buranco imundo (caso “Gisberta”, para quem não está recordado);

– quando um adolescente deixar de ter medo, ou vergonha, ao descubrir que é homossexual, ou outra coisa qualquer e reprimir a sua sexualidade durante anos;

– quando terminar o bullying ou, pelo menos, deixarmos de achar que o bullying é uma coisa normal e que até “faz bem”;

– quando revisores da CP deixarem de assediar passageiras só por causa de um decote e terminar de vez a conversa do “pôs-se a jeito”;

– quando deixarmos de pôr a culpa nas vítimas;

– quando pararem os comentários começados por “Eu não sou homofóbico, mas…”;

– quando deixarmos de olhar de lado para dois homens, ou duas mulheres, a trocarem carinhos;

– quando deixarmos de julgar e condenar as pessoas pela roupa que vestem;

– quando percebermos que a sobrevivência do Planeta está nas nossas mãos e nos nossos comportamentos;

– quando animais deixarem de ser torturados para gáudio da multidão;

– quando formos todos mais empáticos e respeitarmos a diferença, mesmo que não concordemos e não se enquadre nos nossos valores.

Acima de tudo, espero que os meus filhos construam um Mundo onde deixe de ser necessária uma disciplina onde se ensine “apenas” a sermos melhores pessoas.

FOI NA BOLA – O FAIR PLAY É UMA TRETA

Setembro 1st, 2020

Antes de ser o treinador da moda e do regime, ou da moda do regime, JJ era famoso pelos seus tiros no porta-aviões, mesmo que expressos de forma gramaticalmente questionável.

Ao serviço do Braga, depois de ter sido roubado escandalosamente contra o agora seu clube, afirmou: ganhar na Luz, só na PlayStation.

Ao serviço do Belenenses, antes de um jogo contra o agora seu clube, afirmou: o fair play é uma treta.

O povo e a opinião pública tendem a definir o fair play como um conjunto de gestos, ritos e cerimoniais que, na verdade, em nada têm a ver com fair play.

Fair play, no fundo, é competir de forma justa. Nada tem a ver com palminhas, corredores de honra ou mandar a bola fora quando um adversário está lesionado.

Fair play é entrar no jogo para ganhar, dar o máximo para o conseguir e fazê-lo de forma justa.

Tudo o resto é folclore.

Pavilhão de Crestuma. Futebolada de sábado de manhã.

Ela estava à minha frente, redondinha, pronta. Olhei para ela, olhei para a baliza. Mesmo sendo uma nódoa em geometria, cometendo a proeza de, até com a régua, desenhar linhas tortas, percebi que, com determinada força, determinada direcção… era golo.

Na melhor gíria futebolística, puxei a culatra atrás.

Não é que tenha muita força, mas ali, foi alguma.

Só que… uma adversária (sim, tínhamos raparigas a jogar… e muito bem!), viu o mesmo que eu. Viu a redondinha, a linha recta para a baliza e a força que eu preparava para aplicar na bola. Corte providencial, mas o meu pé já não foi a tempo de parar e encontrou, no local onde milésimos de segundo antes estava a bola, o pé da rapariga. Estrondo.

“Oh António! Tu és tolo! Viste o que fizeste?”

Mas eu só queria chutar a bola…

Pedi desculpa enquanto ela se contorcia de dores no chão. Fui rodeado “eh pah… estamos aqui para nos divertirmos… não era preciso isso…”

Mas eu só queria chutar a bola.

Estádio de Braga. Janeiro de 2019. Final da Taça da Cerveja, ou lá o que é…

Oliver Torres está de olhos fixos na bola. E só na bola. Como eu, ele só quer chutar a bola, não para marcar golo, mas para a tirar dali para fora. O jogo aproxima-se do fim e, só agora, é que o adversário decidiu que quer ganhar de forma justa, depois de oitenta minutos de jogo passivo, a fazer de tudo para levar a decisão para os penaltys.

Durante oitenta minutos, só uma equipa teve fair play. Dentro do campo, na relva. Só uma equipa, a do Oliver, lutou para vencer. A outra escondeu-se na manha, na “chico-espertice tuga”. 

Oliver Torres está de olhos fixos na bola. Ele só quer chutar, mas um adversário, como a minha adversária, naquele momento, atravessa-se. Penalty.

A equipa do Oliver, pobre Oliver, acaba por perder no desempate.

A frustração é visível, audível, sensível… 

Não há espaço para mais nada no coração de quem deu tudo e perdeu de forma tão inglória.

As redes sociais, a opinião pública, o povo, vocifera contra a equipa do Oliver, por falta de fair play?

JJ tinha razão. O fair play, como nos querem vender, é mesmo o treta.

E o Oliver e eu, só queríamos mesmo chutar a bola.

CONVÉNIO – A Nova Convénio

Agosto 1st, 2020

Regressaram ao salão. Todos ocuparam novamente os seus lugares, incluindo Ester e a chorosa Míriam. “Mais valia que me tivesse matado.”

“Se vocês estavam, novamente, no Palácio da Convénio, o que foi que nós destruímos?”

“O Palácio da Convénio. O edifício é um ser vivo. Respira. Move-se, transforma-se, aparece, desaparece e auto-regenera-se. É verdade que nós na altura não sabíamos disso.

Fomos lá ter desesperados, em fuga, pela única saída que encontramos. Aquela era a Sala de Comando. Com as tais duas paredes de vidro por onde podíamos ver o Salão Principal do Palácio e outras quatro paredes, cada uma com uma mesa encostada, cada mesa com uma cadeira de executivo e um terminal de computador. Ficamos ali um pouco meio perdidos, sem saber, ao certo, onde estávamos e o que fazer. Até que as quatro paredes desmaterializaram-se numa espécie de ecrã, ou tela, como num cinema e lá no meio apareceu uma personagem conhecida.”

“Quem?”

“O Saúl.”

David fez uma pausa para um gole na sua bebida e reacender o cachimbo.

“O Saúl que tinha morrido no ataque…”, atirou Pôncio em jeito de pergunta.

“Ainda hoje não sei se esse gajo é morto, ou vivo. Estive com ele há algumas horas, antes de ter vindo para aqui.”

“Antes de te termos capturado.”, corrigiu Pôncio.

“Antes de eu me ter deixado capturar.”

“Seja. E a partir daí?”

“Saúl apresentou-se como a Memória da Convénio. Explicou-nos que éramos os únicos sobreviventes do ataque e que deveríamos dar início à Nova Convénio.”

“Mas como? Quatro recrutas inexperientes?”

David interrompeu bruscamente:

“Que te foderam a vida durante anos e um deles ainda aqui está, à tua frente, rodeado de gente que está com medo do que possa acontecer se eu estalar os dedos!”

Foi a vez de David perder a postura. Começava a ficar cansado. O dia ia longo e precisava urgentemente de umas horas sozinho para se recompor e recuperar o controlo da situação. Ansiava, agora, que o mandassem de volta à cela.

“Devo admitir que tens razão.”

Os oponentes tratavam-se agora por tu. Eram, de facto, velhos conhecidos e não havia mais razões para cerimónias.

“Voltando à Sala de Comando… O Saúl lá nos explicou que devíamos continuar o trabalho da Convénio, recrutar novos soldados no ano seguinte, ensinar o que sabíamos, etc. É claro que estávamos confusos, fizemos muitas perguntas, estivemos ali horas, até percebermos qual o próximo passo.”

“E qual foi esse passo?”

“Regressar a casa, às nossas vidas, às nossas famílias e aguardar pela primeira missão.”

“E foi isso que fizeram?”

“Eu, não.”

Pele

Julho 29th, 2020

Fecho os olhos
Porque amamos melhor de olhos fechados
Não preciso ver
Não precisamos ver
E, para te ver
Basta-me a pele
Um suave toque
Um doce encontro
Da minha com a tua

Cada centímetro
Cada poro
É um beijo apaixonado
É um beijo doce
Escondido num jardim que construímos de mão dada

Imóveis
Em silêncio
A nossa pele fala tanto
Viajamos no tempo
Aos dias sem fim
Em que o mundo era construído entre lençóis
E o suor era Música
e a Paixão dizia que serias minha para sempre

E a pele sempre presente
A falar-nos ao ouvido
A fazer palpitar o coração
Um único coração
Que forjamos a quente
No brilho das estrelas

A pele onde dormias
E eu te abraçava
De sorrisos perdidos no firmamento

A pele que era loucura
Risco, perigo, demência

A pele que sempre procuro
E onde nos encontro

Não calor ou frio que me afaste
Não há dor que me detenha
A tua pele sou eu
Serei sempre eu
Serei sempre teu

Do consenso ao confronto

Julho 26th, 2020

Ouvi hoje na TSF alguém dizer que, nos nossos dias, quem discute não procura consenso, mas confronto.

Lembrei-me de imediato de um amigo que dizia “na minha rua há gente que, se for preciso, paga para andar à porrada.”

Por isso as discussões são cada vez mais esforços vãos e estéreis. Não vale a pena argumentar, explanar pontos de vista se, do outro lado, só encontramos mentes duras, fechadas e que só querem fazer barulho.

“Andar à porrada”.

Não interessa ter, ou não razão. O que interessa é gritar e, se possível, insultando e diminuindo o outro.

Por alturas do 25 de Abril, apanhei um post no meu feed que dizia “e não adianta virem para aqui dar a vossa opinião, porque não me interessa”. Poética forma de defender a liberdade.

“Não me interessa.”

Tudo resumido em três palavras.

E o consenso, a paz de espírito, a tranquilidade até são vistos e interpretados como sinais de fraqueza, quando a História do Mundo nos mostra exactamente o contrário.

Paz.

CONVÉNIO – A Tortura

Julho 26th, 2020

“Basta!”

A voz de Pôncio trovejou pelo Salão. O líder máximo da Lux abandonou a postura cavalheiresca e assumiu-se como líder militar que era. Os seus olhos chispavam de fúria e todo o seu rosto estava tenso.

David sentiu o toque, mas não o demonstrou. O seu cinismo tinha um objectivo.

Míriam tremia com medo que sobrasse para ela. Ester sorria.

E mais motivos ganhou para sorrir quando…

“Ester, Míriam, levem-no! Sabem o que têm a fazer!”

Naquele preciso momento, David conseguiu antever tudo o que iria acontecer de seguida e preparou a mente e o corpo.

Desde que a entrevista começara, concentrar-se mais no passado e menos no futuro, mas agora tinha que estar alerta. Não podia esquecer que estava preso no covil do lobo e que qualquer passo em falso seria a sua destruição.

Ester e Míriam manietaram-no e conduziram-no a uma sala totalmente branca, sem janelas e cuja porta desapareceu após entrarem.

O que se passou nos cinquenta e três minutos seguintes pode ser descrito como um massacre. Ester descarregou toda a sua fúria naquele que ainda era o amor da sua vida e que ainda a amava. Míriam permaneceu a um canto, a tremer e a chorar.

Contudo, David não sentia qualquer dor, nem o seu corpo apresentava escoriações, nódoas negras ou um simples arranhão. Nada. Aceitava os golpes de Ester, sem reagir, sem sequer se defender.

E, ao fim de cinquenta e três minutos, aquela que amava aquele que maltratava, caiu prostrada, exausta, sem forças, juntando o seu choro ao de Míriam. David estava de barriga para baixo. Até poderia parecer morto se não se tivesse levantado calmamente. Sem dizer uma palavra caminhou na direcção de uma das paredes, como se ela não existisse e atravessou-a como se ela não existisse. Do mesmo modo que se tinha levantado como se não tivesse sido saco de pancada durante cinquenta e três minutos.

Do outro lado da parede, esperavam-no vinte guardas que, de imediato lhe apontaram as armas.

“Pôncio, queres continuar a ouvir a história, ou terei que fazer a estes o que não fiz à Ester?”

CONVÉNIO – O Ataque e a Ressureição

Junho 28th, 2020

“Finalmente, chegamos ao ataque.”

“Sim. Era um dia de festa. Pela primeira vez usávamos a nossa farda, convivíamos livremente com os restantes membros da Convénio. Havia comida e bebida. E podíamos voltar a casa.

Um dia esplêndido!”

“Sim. Escolhemos esse dia, precisamente, por estarem lá todos. Iam morrer todos de uma vez. De uma vez por todas: como escaparam?”

Pela primeira vez, a voz de Pôncio assumia um tom negro, maléfico. Já não era o militar cortês que recebera David com um aperto de mão. Uma espinha com vinte e três anos a perfurar-lhe a garganta. Um plano perfeito que falhou.

“Apesar da festarola, eu não conseguia largar a Betel. Diga-se de passagem que, de farda, ficava ainda mais apetecível. Mas o que me prendia eram os olhos, esquivos, furtivos… Ela e as amigas pareciam deslocadas da festa e, a dada altura deslocaram-se mesmo. Perdi-as de vista. Chamei os outros e corremos tudo à sua procura. Tinham desaparecido. Essa busca afastou-nos do Palácio e do jardim frontal onde caíram as primeiras bombas.

A Convénio estava totalmente desprotegida e foi apanhada de surpresa. Não houve qualquer reacção. Mas nós, como estávamos afastados, conseguimos reagir. Pegamos em armas e começamos a disparar para o desconhecido.

Corremos em direcção ao campo de sangue que se estava a formar, enquanto o Palácio desmoronava. Havia gritos, membros amputados que voavam em todas as direcções, sucessivas ondas de calor, um calor que nos impedia de respirar raciocinar.

Procuramos ver de onde vinha tudo aquilo, mas o fumo, o pó…

Os gritos… acho que o pior foram os gritos…

E o sangue… havia sangue por todo o lado…”

Na audiência havia sorrisos de escárnio. David fraquejava e isso dava-lhes força. Ester chegou a rir baixinho.

“Mas escaparam…”

“O Saúl apareceu. Todo ele era uma papa de sangue, só nos gritou para fugirmos para o lago das traseiras e a seguir morreu à nossa frente. Por entre cadáveres e moribundos fugimos para o tal lago. Os projécteis caíam à nossa volta. O Palácio era já uma ruína. Espreitei por cima do ombro e vi as vossas tropas a avançarem. Corremos como pudemos, já com algumas balas a passarem-nos junto aos ouvidos.

Então, chegamos ao lago e fizemos a única coisa que podíamos fazer: mergulhamos.

O lago era profundo. Os clarões das explosões penetravam na água. Mergulhamos em direcção ao fundo, sendo absorvidos por uma imensa escuridão.

Continuamos a descer até que, aos poucos, a luz voltou. No leito do lago havia uma porta. O Miguel já lá estava à nossa espera. Quando estávamos os quatro juntos, abriu a porta e caímos para um espaço totalmente seco, onde a água do lago não entrava. Já não ouvíamos mais nada.”

“E que espaço era esse?”

“Um pequeno átrio. De onde nasciam umas escadas que subiam em espiral. Atrás de nós a porta desapareceu. Não tínhamos alternativa a não ser seguir as escadas.”

“E depois?”

“Subimos aquilo que eu calculei como sendo o equivalente a uns dez andares. Pensei que estaríamos a subir novamente à superfície do lago, mas a seco.

A imensa escadaria desembocou numa sala hexagonal, não muito grande, mas onde poderíamos circular à vontade sem andarmos aos encontrões.”

“E o que havia nessa sala?”

“Como disse, a sala era hexagonal. Duas paredes eram de vidro, de alto abaixo e, pasme-se do outro lado um salão muito parecido com este?”

“Era o Palácio da Convénio?”

“Exacto.”

“Mas tinha sido destruído!”

“Oooops…”

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.