António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

“Concertino para bombardino” – Arie den Arend

Agosto 27th, 2022

CLÁSSICOS FILARMÓNICOS – Finalmente encontrei!

A Banda da Trofa da segunda metade da década de 90, foi das melhores que já ouvi até hoje. Dirigida por Francisco Ferreira, que sucedeu ao mítico, histórico e icónico professor António Gomes, era uma verdadeira banda “all star”. Reunia alguns dos maiores (perdoem-me a expressão) “craques” da música à época, alguns já com carreiras consolidadas, outros que despontavam, muitos que hoje em dia continuam ligados à filarmonia, como maestros, executantes, professores.

Só para citar alguns nomes, por ordem alfabética:

Abel Pereira, Acácio Silva, Ana Maria Ribeiro, Bernardo Alves, Carlos Germano, Daniela Anjo, Fernanda Alves, Fernando Ribeiro, Gil Miranda, Hugo Oliveira, Isabel Anjo, Iva Barbosa, João Alves, Jorge Almeida, Jorge Madureira, Júlio Senra, Liliana Reis, Lino Pinto, Manuel Luís Azevedo, Manuel Moura, Nuno Pinto, Paulo Martins, Rosa Oliveira, Sílvia Janete, Telmo Barbosa, Vitor Matos…

…todos passaram pela Banda da Trofa.

Uma banda  que “debulhava” um reportório de grau de dificuldade elevado e que incluía este “Concertino” de Arie den Arend, escrito para tuba, ou bombardino solo, executado à época por Júlio Senra. Era uma obra que se destacava principalmente por ser raro, para não dizer único, uma banda apresentar uma peça solística para este instrumento.

O “Concertino” era de tal forma marcante na estante da Trofa que foi gravado em CD pela mesma.

Sobre o compositor, pouco se sabe, a não ser que nasceu em Pernis, a 3 de fevereiro de 1903, e faleceu em Roterdão a 22 de fevereiro de 1982. De 1916 a 1925 estudou órgão, teoria musical e composição. Foi maestro, professor e organista, dedicou-se principalmente à música para metais.

Na Internet não abundam os registos da peça, pelo que tive que recorrer a esta gravação, ao vivo, da Banda La Primitiva de Alborache – Valencia, com Andres Carrascosa Perez como solista.

 

 

“Xàbia” – Salvador Salvá Sapena

Julho 28th, 2022

CLÁSSICOS FILARMÓNICOS -“Então ainda não falaste desta?”

Estaremos todos de acordo que “Manuel Joaquim de Almeida”, feitas as contas, será a marcha mais tocada em entradas, despedidas e não só.

Mas esse lugar tende, cada vez mais, a ser disputado por outra “marcha” que, na verdade, é um “pasodoble”, mas que o compositor sempre insistiu que fosse considerado “pasacalle”. Um “pasacalle” que já ganhou o estatudo de “Clássico Filarmónico”.

Só podia falar do, ou da, “Xàbia”, de Salvador Salvá Sapena.

Mas há alguém que nunca tenha tocado o, ou a, “Xàbia”?

No entanto, o fenómeno “Xàbia” extravasa a Península Ibérica.

É impossível saber quantas vezes o “Xàbia” foi executado em todo o mundo desde que foi publicado em 1976. Este “pasacalle” levou o nome da cidade Xàbia praticamente aos cinco continentes e tornou-se uma das referências mundiais na música deste estilo.

Mas qual é o segredo desse sucesso? Como é que “Xàbia” apaixona músicos, maestros e público, da Bolívia ao Cazaquistão? Na verdade, a característica mais importante da peça é a sua simplicidade.

Miguel Salvà, filho do compositor:

“Quando o meu pai começou a compor, era uma obra extensa, muito densa”.

Isso foi no início de 1976. Ao longo da primeira metade do ano, Salvador Salvà fez a banda Xàbia – da qual ele era maestro – ensaiar a música repetidamente. E foi retocando-o, simplificando-o, de mais para menos em comprimento, até encontrar a medida certa na introdução. Apesar de já ter quase 50 anos na época, começou a desenvolver a capacidade de criar harmonia, já que durante o seu serviço militar tinha contactado com grandes arranjadores. Em agosto de 1976, decidiu que a obra estava pronta, tendo sido publicada no final do ano.

“Xàbia” foi composto, justamente, para ser tocado pelas ruas durante as festas e começou a espalhar-se sem parar. Além de Espanha, a França foi o primeiro país em que esta música se enraizou. Foi rapidamente ligada ao mundo das touradas mas também a outros eventos festivos. E ainda está presente. Tanto que o pasodoble “Xàbia” serviu de banda sonora para o filme “Le fils à Jo” lançado com sucesso em 2010.

“Xàbia” também cruzou o oceano, primeiramente no México e espalhando-se à restante América Latina.

Essa fama mundial levou a que “Xàbia” fosse tocado em lugares tão distantes quanto a Ucrânia e até mesmo o Cazaquistão.

“Nem hino, nem letra”. A partitura de “Xàbia” destina-se apenas a isso, como música ligada à festa. Não é um hino. E não havia letra. O compositor criou-o apenas com música. As letras que estão atualmente anexadas à peça foram adicionadas por outros.

Salvador Salvà (Xàbia, 1927-2011) deixou a sua marca no Centro Musical Artístico de Xàbia, não só pela composição do “pasacalle” tão universalmente conhecido. Durante os 9 anos em que foi maestro (1969-1978), a banda viveu dois momentos históricos: primeiro, a incorporação de mulheres na entidade e, segundo, a primeira viagem ao estrangeiro, especificamente para a Alemanha.

Fonte: http://blog.xabia.org/el-secreto-de-xabia-el-pasodoble-que-emociona-en-todo-el-mundo/

Aqui fica na interpretação da Banda da Trofa, dirigida por Luís Campos, num registo de Damião Silva.

 

“Damião Silva” – Vitor Resende

Abril 18th, 2022

Hoje, 18 de Abril, o Grande Curador do Reportório Filarmónico, autor de muitos dos vídeos desta rúbrica, Damião Silva, completa mais um aniversário e, por isso, faz todo o sentido partilhar esta marcha, de autoria de Vitor Resende, composta em sua homenagem.

Aqui fica na interpretação da Banda Marcial de Fermentelos, sob a direcção de Hugo Oliveira (e comigo ali no bombo).

Parabéns, Sr. Damião! Espero encontrá-lo, muito em breve, numa romaria algures por aí:

“Poeta e Aldeão” – Franz von Suppé

Abril 16th, 2022

Por incrível que pareça, estava perfeitamente convencido que já tinha dedicado um artigo a esta obra, um clássico a todos os níveis. Mas não. Estava no fundo da pasta à espera de vir para a estante dos Clássicos.

“Poeta e Aldeão” estreou-se como música incidental para uma comédia de Karl Elmar, com o mesmo título, mas viria a ser transformada, após a morte de Suppé, numa opereta em três actos.

Contudo, foi a sua abertura que ficou popularizada no reportório sinfónico e filarmónico. É um verdadeiro hit nos arraiais de Norte a Sul de Portugal.

E sim, os arraiais estão a regressar.

Este é um daqueles exemplos que demonstra que uma obra sinfónica para ser bela, não precisa ser difícil. Contudo, a sua “facilidade” é aparente. Já vi muito bom clarinetista a dar nós nos dedos a tocar isto.

Aqui fica “Poeta e Aldeão” na interpretação da Banda Musical de Souto, sob a direcção do meu grande amigo, Manuel Luís Azevedo, num registo da Afinaudio:

 

Andamentos

Março 31st, 2022

O medley “Francisco Magalhães” de Luís Cardoso já foi abordado neste espaço em tempos.

Uma obra relativamente recente mas, definitivamente, um clássico.

Para hoje, proponho um pequeno exercício:

1º – Vamos ouvir os próprios Scorpions a interpretar o “Rock you like an hurricane”, aqui:

2º – É neste andamento que tocam nas vossas bandas? Em caso negativo, justifiquem.

3º – Concordam com a frase “No andamento em que os Scorpions tocam, fica bem melhor, com um groove mais poderoso!” ? Justifiquem.

As romarias estão a regressar…

“76 Trombones” – Meredith Willson

Fevereiro 18th, 2022

Lembram-se de quando éramos miúdos e aparecia um brinquedo da moda e, re repente, toda a gente brincava com aquilo. Os yo-yo’s, por exemplo. Depois eram os berlindes. Depois outra cena qualquer. As modas vinham e iam.

No reportório filarmónico acontecem fenómenos semelhantes.

Ali no início dos anos 2000, de repente, apareceram os “76 trombones” e toda a gente começou a tocar.

“76 trombones” é uma popular melodia do musical “The Music Man” e dos filmes (1967 e 2003) inspirados no mesmo.

A história desta canção até é engraçada, dado que se trata da bazófia de um “professor” sobre uma banda com… 76 trombones. A letra é deliciosa e eu nem traduzi para não perder a piada:

Seventy six trombones led the big parade,
With a hundred & ten cornets close at hand.
They were followed by rows and rows,
Of the finest virtuosos,
The cream of every famous band.
Seventy six trombones caught the morning sun,
With a hundred & ten cornets right behind.
There were over a thousand reeds,
Srpinging up like weeds,
There were horns of every shape & size.
There were copper bottom timpani in horse platoons,
Thundering, thundering, all along the way.
Double bell euphoniums and big bassoons,
Each bassoon having its big fat say.
There were fifty mounted canons in the battery,
Thundering, thundering, louder than before.
Clarinets of every size,
And trumpets who’d improvise
A full octave higher than the score!
Seventy six trombones hit the counterpoint,
While a hundred and ten cornets blazed away.
To the rhythm of Harch! Harch! Harch!
All the kids began to march,
And they’re marching still right today!”

Bazófia… quem nunca?!

Ao fazer o arranjo para banda, Nahoiro Iway, meteu uns “pózinhos” lá pelo meio, incluindo o “The Stars and Stripes Forever”.

Tudo somado, soa sempre bem e tornou-se um clássico deste lado do Atlântico.

Aqui na interpretação da Banda de Fajões, sob a direcção de Bruno Costa. Partilho também abaixo duas incríveis versões do original:

 

 

“Homenagem às Praças” – Fernando Costa

Fevereiro 3rd, 2022

Conheço esta marcha “de vista”, há 28 anos. Andava nas cadernetas da Sociedade Filarmónica de Crestuma, apesar de nunca a ter tocado.

Há dias, um amigo sugeriu que a ouvisse.

E foi amor à primeira audição.

Nos últimos anos tem-se assistido a um certo preconceito face às marchas de desfile portuguesas, principalmente as mais antigas. Mas, a música boa tem idade?

É bom ouvir novas sonoridades, novos formatos, mas preciosidades como esta, de um dos mais frofícuos compositores portugueses merecem mais tempo de antena.

Parece que é desta que as nossas romarias vão voltar e, porque não, fazer voltar também o nosso reportório mais tradicional?

“Homenagem às Praças” é uma marcha bem portuguesa mas, se eu apagasse o nome do compositor e dissesse a quem não a conhecesse, que o seu compositor era um “John Smith do Texas” qualquer, as pessoas acreditariam.

Na sequências dos últimos postos mais “marciais” aqui do estaminé, aqui fica mais uma marchinha para aquecer.

“Homenagem às Praças”, na interpretação da Banda Sinfónica do Exército, sob a direcção do Tenente Coronel Reginaldo Neves, num registo da Afináudio.

“Trombones Triumphant” – Don Keller

Fevereiro 2nd, 2022

Mais uma obra saída da longínqua K7 da Sociedade Filarmónica de Crestuma.

Uma potente marcha, onde os trombones mandam na coisa e não há muito mais a dizer.

Composta em 1940, pelo trombonista Don Keller, foi rapidamente introduzida no reportório das bandas militares americanas, que a espalharam pelo mundo durante e após a Segunda Guerra Mundial. Até aos dias de hoje continua a ser tocada, por bandas militares e civis e Portugal não é excepção (toquei-a bastante durante a minha passagem pela Banda de Gondomar, por exemplo).

Ciente da popularidade da marcha, Keller escreveu e publicou mais três com títulos semelhantes: Trombone Special (1941), Tribute to Trombones (1944) e Trombone Tribunal (1949).

Sabe sempre bem e, porque não, logo de manhã?

Aqui na interpretação da Banda de Melres, sob a direcção de José Carlos Ferreira, num registo do nosso Grande Curador, Damião Silva.

 

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.