António Pinheiro

Freelancer em Serviços de Marketing para Empresas e Instituições. Músico. contacto@antonio-pinheiro.net

Ramos, Cruzes e Limpezas. Campaínhas e amendoas – parte 2

Abril 17th, 2019

Após o Domingo de Ramos, iniciava-se o quase total desmantelamento da minha casa. Janelas sem cortinas, chão sem tapetes, loiça fora dos armários… Cheiro a pó e a óleo de cedro.

A Páscoa repercutia no lar o seu significado bíblico. A Passagem da Morte para a Vida, das trevas para a luz, do Inverno para a Primavera. Jesus limpou os pecados do Mundo. A minha mãe limpava a casa de fio a pavio. Arrumavam-se definitivamente as roupas de Inverno. Saíam das arcas as roupas de Verão.

Estando de férias, tornava-se difícil brincar, porque estava tudo de pantanas e eu não podia desarrumar mais… o que já estava desarrumado.

E havia que cumprir o preceito religioso.

Lembro-me da primeira vez que fui obrigado a ir à Igreja no Tríduo Pascal (para os menos familiarizados com estes termos, são as cerimónias religiosas de Quinta-Feira Santa, Sexta-Feira Santa e Sábado Santo, respectivamente: Missa da Ceia do Senhor, Celebração da Paixão do Senhor e Vigilia Pascal).

Nunca fui muito de desobedecer às ordens dos meus pais. Mas naquela noite refilei um bocadinho. Queria ficar em casa e não embarcar numa cerimónia chata.

– Anda que vai ser bonito – disse a minha mãe.

E foi. Logo na primeira noite, de contrariado passei a fascinado por todo aquele cerimonial. A solenidade, a reverência, a força da música, a austeridade e o silencio do final da celebração (o altar é despido da toalha e demais adornos e a missa termina sem canto).

Foi uma experiência espiritual verdadeiramente intensa, mesmo para uma criança.

O Sacrário fica aberto, vazio, e o “corpo de cristo” é transladado para um altar lateral.

A Igreja fica ainda mais fria, obrigando-nos a viajar no tempo, para o Monte das Oliveiras, para acompanhar a prisão do Cristo e o seu julgamento.

Começa ali a Sexta-Feira Santa…

Ramos, Cruzes e Limpezas. Campaínhas e amendoas – parte 1

Abril 16th, 2019

Fechando os olhos e viajando no tempo às “Semanas Santas” da minha infância, são estas as primeiras imagens que recordo. O “top of mind” das minhas memórias pascais.

É Domingo de Ramos. Hoje não vou à Missa, porque a Missa “vai ser muito grande”. Quero ir. O meu pai, mais uma vez, vai ser Pilatos na leitura do imenso evangelho da Paixão e ninguém diz como ele “Tu és o Rei dos Judeus?” ou “Tomai vós mesmos e crucificai-o, pois não encontro nele culpa alguma!” Ninguém como ele transpõe para a leitura bíblica o que aprendeu nos anos do teatro. E depois, o salmo do Domingo de Ramos, lamento que Ferreira dos Santos parece ter ouvido directamente da boca de Cristo e transposto no momento para música…

Não vou à Missa, mas há a benção dos ramos à porta da Igreja. Celebração agridoce pois, ao contrário de todos os outros meninos, o meu ramo não iria para a minha Madrinha, emigrada em Andorra.

– Dou o meu ramo a quem, Mãe?

– Dás a mim!

– Mas foste tu que o fizeste!

Além disso, os ramos dos outros meninos tinham flores e cor. O meu era um amontoado de folhas de oliveira. “Mas assim é que deve ser um ramo do Domingo de Ramos! Os ramos dos teus colegas é que estão mal.” Sentença de Mãe.

Começava assim uma semana única. De Domingo a Domingo.

Sem o glamour do Natal, a Semana Santa tinha a sua magia própria, onde cada dia representava algo único nas minhas longínquas férias da Páscoa.

Vais tocar isso na Igreja?

Abril 16th, 2019
Sempre gostei de fazer o que ninguém está à espera, nos momentos mais improváveis…
 
– Vens tocar na Via Sacra?
– Quando?
– Dia 15. Vamos tocar o Homem do Leme.
– Então vou.
 
Demorei a encontrar a harmonização a duas vozes que já tinha feito, há muitos anos, para as Vozes de Esperança – Crestuma, mas ela apareceu no meio de uma catrafada de papéis.
 
Demorei a recordar-me dos voicings que fazia a tocar aquilo, mas consegui.
 
Na hora de tocar a sério, fez-se magia e nem precisei de olhar para a pauta. As minhas mãos mexiam-se sozinhas no teclado. Estava lá tudo. É espantoso o nosso cérebro. E vozes, muitas vozes, cantaram bem alto o Homem do Leme na Igreja Paroquial de Santa Marinha de Crestuma.

O almoço de Domingo

Abril 10th, 2019

Quem teve uma infância humilde guarda religiosamente pequenas memórias, as lembranças mais felizes dos tempos mais difíceis.

Recordo o almoço de Domingo, memória que me deixa com um sorriso nos lábios e uma lágrima no olho.

Tudo partia da minha Mãe que, para ajudar na complexa gestão da sua vida profissional e familiar, repetia as ementas semanalmente, de segunda a sábado. Assim, como a própria dizia, ficava tudo “guiadinho”. Mas, ao Domingo, era diferente…

No almoço de Domingo, almoço solene, a D. Irene esmerava-se para apresentar algo diferente do habitual. A mesa ganhava cor, pela toalha nova, pelos talheres de cerimónia, pelas iguarias servidas.

Como dormia no mesmo espaço da cozinha, separado apenas por um “biombo”, sentia desde cedo os aromas e os sons culinários.

Ao sair de casa para a Missa, eu ia já com os sentidos despertos e a curiosidade aguçada pelo que viria depois. E, por falar em missa, à porta da Igreja era vendida a regueifa, disponível em dois tamanhos: grande e pequena… tão simples fazer negócio.

Ao Domingo, a tradicional sopa de feijão (a única coisa mais parecida com mousse  que comi em criança) dava lugar à canja, ficando sempre um ovinho guardado para mim.

Quando a canja era de letras, divertia-me a tentar juntar o meu nome. Em dias mesmo especiais, os adultos bebiam um vinho diferente e o pequeno António Carlos até tinha direito a sumo, ou a uma sobremesa.

Mas o mais importante: o almoço de Domingo e o jantar de Sábado, eram as únicas refeições da semana que conseguíamos fazer todos juntos e sem pressas, vestidos com roupa “domingueira”, cheirosos e perfumados.

Era uma comunhão perfeita, naquele espaço tão apertado, onde nos acotovelávamos, sentados a uma mesa onde só cabiam os pratos e os copos. Durante aquela hora, a nossa exígua cozinha era uma sala de banquetes, a nossa “casa” um palácio. Uma família real.

E todo o Domingo era um ritual. A seguir ao almoço, o telejornal da tarde e as corridas de Fórmula 1, eventualmente, uma ida às Antas ou ao Campo da Bela Vista. O lanche relaxado, o Justiceiro ou o Macgyver, o Top Disco e o preparar de mais uma semana de luta.

“Anda dormir que amanhã já tens Escola…”

Mas, se nunca precisei que me acordassem, também nunca precisei que me enviassem para a cama.

Mas afinal, que instrumento você toca?

Março 26th, 2019

Fizeram-me esta pergunta no passado sábado à noite, quando apareci nos “Passos” de Estarreja, com um saxofone- tenor.

E, como me fazem essa pergunta recorrentemente, sinto que devo dar um esclarecimento.

Ora, eu gosto de Música. O instrumento é isso mesmo: instrumento. Ferramenta.

O meu professor de clarinete dizia-me que mais importante do que fazer de mim clarinetista, era fazer de mim Músico, para poder tocar qualquer instrumento.

Mas então…

Quando comecei a aprender Solfejo e Teoria na Sociedade Filarmónica de Crestuma, já sabia tocar órgão via auto-aprendizagem com a ajuda do livro “Órgão Mágico”.

A minha vontade era aprender clarinete, mas não havia clarinetes disponíveis na banda. Então disseram-me “se queres entrar já, já para a banda, pode ser em percussão.”

E eu: “’tá bem.”

2 anos mais tarde, aproveitei as bolsas de estudo da Câmara de Gaia no Conservatório mas, à época, não havia lá Classe de Percussão. Então, inscrevi-me em clarinete.

Mais tarde, quando a Teresa era maestrina dos “Bandamecos” (orquestra da escola de música da Banda da Foz) constatei que ela não tinha tenores e ofereci-me para aprender o instrumento e tocar.

E ela: “’tá bem.”

Então agarrei-me ao sax durante uma semana e fiquei apaixonado.

No meio de tudo isto, o meu instrumento favorito é trompa e o meu sonho é ainda vir a tocar fagote.

Mais esclarecidos?

CODEVI

Março 4th, 2019

Antes de vos explicar o título (para aqueles que não sabem o que esta sigla representa)…

O meu primeiro professor de Música, em boa verdade, terá sido o meu pai que me fez ouvir de tudo, mas de tudo mesmo, desde Pink Floyd a Marco Paulo. Aprendi a gostar de Música no berço e, no meu íntimo, sempre soube que ser músico seria uma questão de tempo, algo que só concretizei aos 14 anos.

Entre a infinidade de coisas que o meu pai ouvia, estavam as edições discográficas da CODEVI (Comunidade De Vida). Aliás, o meu pai participou no coro de dois desses discos.

Naquelas K7s que giraram uma infinidade de vezes no velho aparelho da nossa casa, eu ouvia as mesmas palavras que ouvia na Missa, mas com um ritmo e uma harmonia diferente, com guitarras, baterias, sintetizadores arrojados… Que fixe!

A “música de igreja” com uma roupagem avassaladora, moderna e que me fascinou desde sempre.

Ouvi as K7s vezes sem conta até romper as fitas. Decorei as letras, os solos instrumentais, as malhas, os “patterns” e os breaks da bateria.

Quando, anos mais tarde, me confiaram a direcção de um coro litúrgico, a primeira coisa que decidi foi: “finalmente vou tocar isto!”

Algumas partituras o meu pai tinha guardadas desde as gravações (finais dos anos 70, inícios de 80). Outras foram-me gentilmente cedidas pelo meu amigo José Fernando Ferreira, membro activo da CODEVI, produtor de alguns dos discos.

Ao longo de todo este tempo, tornei-me admirador do grande homem por trás daquele som: o Pe. Rocha Monteiro.

Nunca houve, nem haverá, alguém como ele.

Conheci-o há poucos anos. O Fernando tinha-me convidado para tocar nas Bodas de Prata dele. “O Padre Rocha vai lá estar”. Bolas… eu não cabia em mim. Ao mesmo tempo, morria de medo de meter algum “prego”… que vergonha… toquei o melhor que pude e sabia.

No fim, veio ter comigo. Eu queria dizer tanta coisa, mas só consegui dizer obrigado. Elogiou o meu trabalho e fez-me prometer que, se a Invicta Big Band voltasse a tocar em Lisboa, eu o convidaria para assistir.

Infelizmente, a IBB ainda não voltou a Lisboa e, recentemente, o Pe. Rocha deixou-nos.

Depois disso, ainda voltei a tocar “para ele” novamente. Agora mais confiante e descontraído, mas sempre emocionado.

Estou a falar no Pe. Rocha, mas podia falar no Rui Vilhena, no Carlos Rocha (com quem também já toquei), no António Ferreira (que grande compositor!!!), no António Campeã e em muitos outros nomes que, sem saberem, me ajudaram a crescer como músico, principalmente na complexa tarefa de louvar a Deus pela Música.

Na passada sexta-feira, enquanto rumava a Estarreja para mais um ensaio, pus no meu carro um CD da CODEVI. Viajei no tempo e no espaço, voltei a ser a criança fascinada e sonhadora, a brincar entre as saias da minha Mãe. Emocionei-me. Juro que chorei. Senti muitas saudades da minha Mãe que também punha as K7s muitas vezes; senti uma enorme gratidão ao meu Pai por ter feito de mim o que sou; senti saudades do Pe. Rocha; senti-me triste por não me ter despedido dele como devia ser.

Obrigado Pe. Rocha.
Obrigado a toda a CODEVI.

Continuarei a ouvir-vos.

 

 

 

“A Arte é o que nos eleva…

Fevereiro 26th, 2019

…e distingue dos animais.”

Esta frase, muitas vezes proferida pelo Maestro António Saiote, devia servir de reflexão para os tempos que vivemos, onde diversas formas de expressão, legítimas na liberdade de quem as produz, são classificadas como “Arte”.

Principalmente no que à Música diz respeito, chegamos a um ponto em que a busca pela irreverência, pela novidade, pela inovação sem objectivo e sem critério, ou com o objectivo único de chocar, tem dado à luz fenómenos que pouco, ou nada, têm de musicais ou artísticos.

Já não há canções, há “performances”; não há actuações, há “staging”. E a Música é atirada para um segundo plano.

Com o copo de gin na mão e o telemóvel na outra, uma pseudo-autodenominada-elite cultural tenta justificar o injustificável e atribuir um estatuto a algo que não o tem, nem nunca terá, porque lhe falta o fundamental: a qualidade.

Diz-se que algo é muito bom só porque é diferente, como se a diferença fosse sinónimo automático de qualidade. Não é.

Defendo veementemente que quando um músico, a solo ou em conjunto, sobe ao palco deve dar grande importância ao cenário que oferece ao público: a forma de vestir, a forma como entra e sai, a sua postura, a interacção, tudo deve ser pensado para orientar o ouvinte para… a Música. Por outras palavras, o jogo cénico criado deve ser o complemento para a Música, para a Palavra transmitida, para a História contada e nunca o contrário.

Fala-se muito, agora, de António Variações. António Variações fazia isso muito bem: genuinamente criativo e original, a sua irreverência, o “boneco” que criou, eram o veículo e a estrada para que as pessoas chegassem ao que realmente interessava: à sua Música e à mensagem que transmitia.

Por oposição, os fenómenos que ocorrem hoje em dia, socorrem-se das “personagens”, das roupas, dos cenários e demais “fogos de artifício”, não como complemento, mas para ocultarem a falta de talento e qualidade. Colocam o cenário no centro do cenário e a Música é atirada “lá para trás”.

A tal “elite”, nascida em plena era das redes sociais, sedenta do imediatismo e de “likes”, consome avidamente estes sub produtos sem questionar, sem reflectir, por moda, refém das “trends” e “hashtags”, sem ver que “o Rei vai nu”. E, se não gostas, és de imediato rotulado de ultrapassado, como se aquilo que é realmente bom tivesse prazo de validade. Antes pelo contrário: a Arte boa é Eterna! Ou a Capela Sistina, de repente, passou a ser feia?

Infelizmente, há cada vez mais “Reis que vão nus”, mas que nos são vendidos com luxuriosas vestes de criatividade, de “formas de expressão que não estão ao alcance de qualquer um”.

Dizem eles que temos que “abrir a nossa mente”. Por sua vez, eles têm que abrir os olhos… e os ouvidos… principalmente, os ouvidos.

 

O teu filho que me envie o C.V.

Fevereiro 20th, 2019

Foi com esta frase que se iniciou um dos mais curiosos processos de recrutamento em que estive envolvido. Tenho outros que poderei partilhar noutra altura, mas este vem a propósito da recente polémica com a remodelação governamental, que transformou o Executivo numa pequena coutada familiar.

Confesso que não percebo o espanto da populaça. “Então ela é filha do Ministro?”

E então? Não é esta a praxis em Juntas de Freguesia, Câmaras Municipais, Empresas Municipais e outras entidades públicas no nosso país? De onde vem o espanto?

Mas vamos à minha história.

Andava eu ainda a estudar (talvez no último ano do bacharelato) quando o meu pai chega a casa eufórico:

“Imprime o teu curriculum e dá-me, porque vou entregar ao Fulano A, que vai entregar ao Fulano B e vão-te arranjar um lugar na Câmara!”

Como sempre fui um idealista, a minha primeira resposta foi: “Mas eu não quero um tacho…”

Responde o meu pai, sempre pragmático: “Os outros não são mais que tu! Aproveita e está calado!”

Lá preparei o C.V. possível, atendendo a que a minha experiência era zero, imprimi para o meu pai entregar ao Fulano A.

Dias depois, o Fulano B liga-me para agendar uma entrevista, onde teria que convencer o Fulano B, o Fulano C e o Fulano D, do meu potencial para o cargo que procuravam, “mas tu tens mesmo o perfil ideal! é alguém como tu que procuramos!”

Entrevista agendada, dou por mim sozinho e nervoso na sala de espera. Nisto entra a Fulana E, que eu já conhecia de vista e, poucos minutos depois, Fulano F, que também conhecia de vista. No entanto, ambos se conheciam muito bem!

Beijinho, beijinho:

– Então, também por cá? – pergunta ela.

– É verdade! Mas isto é só uma formalidade, porque Fulano G já me disse que o cargo é meu, mas pronto… temos que vir a estas cenas.

E a Fulana E responde:

– Sim, é verdade. Eu também só cá vim porque tem que ser.

Na minha inocência pensei: “se assim é, isto também é uma mera formalidade para mim.”

Não era.

De facto, o cargo (ou cargos) disponíveis foram para a E e o F… eventualmente para mais alguém (dado que foi a época das vacas obesas), não para mim. Graças a Deus, porque hoje não devo favores a ninguém.

É verdade que, durante meses, o Fulano B até fugia quando me via mas, o que mais me chocou foi a falta de pudor daquelas duas personagens, E e F, altamente envolvidas na máquina partidária e que não tiveram o mínimo pejo em assumir a sua cunha e a fantochada daquele suposto processo de recrutamento.

Portanto, já não me chocam os “jobs for the boys, and the girls”.

Hoje em dia tenho um C.V. bem mais rico e, felizmente, sem marca de cunhas.