António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

Estagiário Procura-se

Fevereiro 19th, 2009

Ou melhor dizendo: “Escravo procura-se”.
Cheira-me, palpita-me, tenho uma ligeira impressão, de que o país está a ser gerido à base de estágios não-remunerados.
Há meses que, diariamente, consulto anúncios de recrutamento e, com uma frequência impressionante, esbarro em anúncios de “Estágios não-remunerados” ou “Estágios curriculares”.
Bonitos eufemismos, estes…
Passo a explicar: em todas as empresas há tarefas chatas que ninguém quer fazer. São chutadas de um lado para o outro até alguém chegar à conclusão de que, apesar de tudo, é necessário cumprir com essas tarefas. Mas, se ninguém quer “sujar as mãos”, como se resolve este problema?
Contratando um estagiário, de preferência a custo zero.
Os jovens universitários adoram estes estágios, vendidos pelos seus respeitáveis professores como “portas de entrada para o mercado de trabalho”. O problema, é que a maior parte desses respeitáveis professores nunca trabalharam na vida e, de forma irresponsável, mais que professores, são vendedores de sonhos.
Conclusão, o estagiário, na prática, é um escravo. Trabalha de borla (às vezes, nem as despesas de transporte e alimentação lhe são asseguradas), faz o trabalho que mais ninguém quer fazer e depois, findo o período do estágio, recebe um chuto no rabo “muito obrigado e bom dia.”
No dia seguinte, mais um escravo é contratado e as empresas lá vão sobrevivendo…

“Case Study”
Na empresa onde trabalhei durante seis anos, por causa da crise, foram despedidas dezenas de pessoas, em meados do ano passado. Poucos dias depois, a dita empresa começa a publicar anúncios de “Estágio não remunerado”.
“No further questions, your honour…”

Comments

3 Comments

RSS
  • Joana Alves says on: 19 de Fevereiro de 2009 at 19:31

     

    Eu sou uma estagiária!

    Trabalho que me farto! É um estágio curricular! Sou obrigada a fazê-lo! Estou a gostar! Não ganho nada, antes pelo contrário, pago MUITO MUITO por mês para poder estar lá (eu não, os meus pais)!

    É muito duro ser estagiário, mas é uma fase pela qual tenho que passar… e daqui a pouco tempo estou a levar o dito chuto no cú! Mas enfim…

    Agora pôr anuncios nos jornais a pedir… isso é ridiculo! Hoje em dia os estudantes não são tão totós assim! Não me parece que tenham sorte!

    Ou esperamos que não tenham…

  • Pinheiro says on: 19 de Fevereiro de 2009 at 21:22

     

    Pois é, Joana… Há estágios e há estágios.
    Mas o facto, é que há muitas empresas que vão sobrevivendo à pala dos estagiários e, para mim, ter trabalhadores e não lhes pagar é escravatura.

    Vai a este site: http://www.cargadetrabalhos.net e vê a quantidade de anúncios a pedir estagiários não remunerados.

    No meu caso, mais duro que ser despedido foi, pouco tempo depois, ver os meus antigos empregadores a recrutarem para as minhas funções um “estagiário não remunerado”.

    Eu não quis dizer que os estudantes são tótós. Mas, nalgumas faculdades (nomeadamente em cursos ligados à gestão), os professores criam ilusões e falsas expectativas nos alunos. Eu sei, porque também fui aluno. Ainda recentemente, estive numa reunião de Antigos Alunos da minha faculdade, onde estavam também professores e actuais alunos, e tive oportunidade de constatar isso mesmo.

  • Joana Alves says on: 20 de Fevereiro de 2009 at 17:03

     

    Eu não disse que disseste que eram tótós, mas eu esperava que não fossem!

    Trabalhar sem receber, mais vale estar quieto!

    É por essas e por outras que um dia ainda apanho um avião com bilhete só de ida… se me aparecer uma oportunidade num sitio melhor, ai não,se não vou…

    Este país está de rastos e muito dificilmente se levantará!

    Os meus professores, ao contrário dos teus, só nos põem mais para baixo… não nos dão ilusões, antes pelo contrário. Se queres que diga, nem sei o que é pior: estudar 5 anos a saber que podem ser para nada e quase cair na plena desmotivação ou viver na ilusão de que findos os 5 anos tudo vai ficar bem e pelo menos mantemo-nos motivados… enfim… não sei. Só sei que daqui a três meses não sei o qu vai ser de mim… mas logo se vê… 🙂

    Beijinhos

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.