António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

As lágrimas

Novembro 17th, 2008

tears.jpg

Gosto de chorar por ti
E sofrer com a tua ausência
Gosto de sentir saudades
Por que a saudade traz o Amor
Aquele Amor interminável
Que construímos na luz de uma noite

Aquele Amor
Que me fará derrubar Montanhas
Secar os Oceanos
Apagar as Estrelas

Aquele Amor
Que confessamos em beijos secretos
Em noites de insónia
Em códigos de ternura

Aquele Amor
Que fala através do olhar
grita através da pele
canta através do sonho

Gosto de imaginar-te ao longe
Adivinhar em que pensas
E o que sentes
Porque enquanto te imagino ficas perto
Perto como tão poucas vezes estás
Tornando cada segundo uma eternidade

Gosto quando te vislumbro num relance
Quando te confundo na multidão
Quando ouço o teu nome noutra pessoa
Quando um som ou um gesto
Te traz até mim
Na memória de um sentido

Comments

One Coment

RSS
  • Telmasousa says on: 18 de Novembro de 2008 at 19:26

     

    De facto sao lagrimas porque ao ler acredita que a lagrima caiu do meu olho…
    Podes nao te acreditar mas este poema transmite o que sinto neste momento, vivo num amor secreto que nem sei se e’ msm amor…So quero imaginar porque assim sinto perto e a dor e menor…

    Um poema surpreendente e sentido!

    Beijo*

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.