António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

As Europeias, o B.E. e o carro do Louçã

Junho 13th, 2009

Perante o bom resultado do B.E. nas Eleições Europeias a minha mulher exclamou indignada: “está tudo doido!” Ela não compreende como há tanta gente a votar num partido de extrema esquerda. De facto, se é grave a ascensão de partidos de extrema direita um pouco por toda a Europa, não deixa de ser menos grave a ascensão de um partido de extrema esquerda em Portugal. A História provou que os extremos, quer de um lado, quer de outro, nunca fizeram bem a ninguém.

Mas como explicar estes resultados, por parte de um partido ideologicamente vazio?

1º – As duas grandes referências políticas nacionais, PS e PSD, estão cada vez mais iguais e a História recente demonstra que estando um, ou outro, no poder, pouco se reflecte na vida quotidiana dos portugueses

2º – O Partido Comunista parou em 1974.

3º – O CDS, apesar de ter um discurso político interessante e de defender causas importantes, tem um líder pouco credível.

4º – Sobra o Bloco.

Para além de tudo isto, o Bloco tem um discurso “fixe”, ou seja, diz às pessoas aquilo que elas querem ouvir:

– diz aos jovens que fumar charros é fixe;

– diz às mulheres que abortar é fixe;

– diz aos imigrantes que podem entrar e andar no nosso país à vontade, a assaltar carros nos semáforos e afins;

– diz aos homossexuais que podem casar e adoptar crianças e que tudo isso é muito fixe;

– diz aos criminosos que eles são fixes, que cometer crimes é fixe e que os tipos da polícia são uns “mete nojo”.

Ou seja, em poucas machadadas mata muito coelho eleitoral e manda dois deputados para Bruxelas.

Felizmente, estamos tranquilos, porque esses dois deputados vão renunciar ao chorudo salário proveniente do Capitalismo Europeu e vão dar esse dinheiro aos pobrezinhos!

P.S – Descobri outro dia que Francisco Louçã conduz diariamente um Audi topo de gama, daqueles em meia dúzia de quilómetros esvazia um poço de petróleo. Da próxima vez que eu ouvir este senhor falar em questões como despesismo, sinais exteriores de riqueza ou políticas ambientais, vou-me rir… ai vou, vou!

Comments

5 Comments

RSS
  • Rodolfo Maia says on: 15 de Junho de 2009 at 9:45

     

    Camarada Pinheiro, desculpa que discorde contigo nalguns pontos que acima enumeras:
    1… De facto a história encarregou-se de nos mostrar que governos de extremos não tiveram grande sorte. Mas então e os moderados? Quem nos colocou na crise actual? Foram os extremos?
    2… Apesar de os partidos do Bloco Central serem cada vez mais parecidos (o que é mau), isso não me parece grave. Assim podemos afirmar que são ambos maus. Depois, os Comunas não acabaram em 1974. Acabaram em 1953, com a morte de Estaline.
    3… Não é só o líder do CDS que não é credível. Já olhaste bem para a cara da M. F. Leite?
    4… Sobre o Bloco de Esquerda:
    – fumar uns cacetes é fixe. E então? os do PSD não fumam umas ganzas?
    – abortar é fixe. E então? Não achas que se o aborto fosse legalizado há mais tempo, uns certos tipos que vestem de amarelo nem sequer existiam (private joke) 🙂
    – trabalho com negro e ucras. devo-t dizer que são os meus melhores trabalhadores. com formação superior e com descendentes que são os melhores alunos das suas turmas.
    – casar é fixe. adopção por heteros é fixe? 82 casos de abandono de crianças adoptadas no último ano. e eram heteros… imagina se fossem homos…
    – nunca ouvi nenhum bloquista dizer que os polícias eram uns “xungas”, nem a defender criminosos.
    – não são 2 deputados para Bruxelas. são 3. E mais… Deixa vir as Legislativas e vais ver quanto deputados vai o BE meter na Assembleia da República… 🙂
    – esses deputados não devem renunciar a coisa nenhuma. e sabes porquê? Porque existem “Ildas” a acumular cargos em Câmaras Municipais e no Parlamento Europeu e ainda vêm para a TV dizer que só querem metade do salário. Pior que isso, quem define o salário dos deputados ao Parlamento Europeu?
    – Se precisares de ver a declaração de IRS do Sr. Louça eu mostro-te. É fácil saberem-se coisas. Ao menos não recebe nenhum subsídio de deslocação como o Sr. ministro das finanças pelo simples facto de ter residência oficial na Maia e estar a trabalhar em Lisboa. Coitadinho, está deslocado…

    No fundo, acho que consegui comentar todos os teus pontos… 🙂

    E ainda mais lá no fundo, caro pinheiro, os políticos são todos iguais. Uns são mais iguais que outros. Ralham, berram, tratam-se mal, mas no fim acabam o dia em grandes farras e jantares e festas todos juntos. São todos amigos… 🙂

    Espero que o Bloco cresça muito mais e que pelo facto de eu me ter filiado há 5 anos atrás, me sinta feliz por os ver crescer.
    Até já o meu pai vota BE.
    🙂

  • Pinheiro says on: 15 de Junho de 2009 at 17:33

     

    1 – Não estás a comparar a actual crise com genocídios, extermínios políticos e afins, pois não?

    2 – Apesar de tudo, foram os partidos do Bloco Central que impediram que, após o 25 de Abril, o PCP instalasse uma nova ditadura em Portugal; foram também eles que impediram que pessoas como o Louçã instalassem a Anarquia

    3 – Manuela Ferreira Leite pode ser uma má política (no sentido puro da palavra), mas foi uma excelente ministra das Finanças e tem capacidade e conhecimentos técnicos para ajudar o país a contornar a crise

    4.1 – Ganza: não se trata de fumar ou não. Trata-se de fazer a apologia do consumo das drogas de forma totalmente irresponsável

    4.2 – Private joke à parte, a questão do aborto demonstra claramente a forma “fácil” como o B.E. resolve as coisas:
    – Temos um problema…
    – Qual?
    – O aborto clandestino
    – E como se resolve?
    – Hmmmm
    – Hmmm
    – Já sei… legaliza-se e deixa de ser clandestino!
    – Boa!

    (e a mesma conversa aplica-se às drogas…)

    4.3 – Eu também conheço imigrantes que estão devidamente integrados. Não posso é pactuar com propostas de atribuir a nacionalidade portuguesa a pessoas que só vieram para Portugal para nos parasitar. Bairro da Bela Vista, diz-te alguma coisa? Zona J de Chelas? Viste aquele tiroteio em Loures? Ciganos e Africanos.

    4.4. – Consegues imaginar-te com dois pais, ou com duas mães, em vez de um pai e uma mãe? Eu não. Desculpa, mas não concebo uma criança a ser educada por um casal homossexual, nem se quer concebo que homossexuais se casem, porque o casamento, por definição, implica homem e mulher. Os homossexuais não devem ser discriminados legalmente e devem ter os mesmos direitos das outras pessoas, mas tenho a certeza que há formas de proteger esses direitos sem implicar o casamento.

    4.5. – Nunca ouviste um bloquista a defender criminosos, mas eu já: Miguel Portas, quando um grupo de arruaceiros invadiu propriedade privada e destruiu uma plantação.

    4.6 – Peço desculpa pelo meu erro de cálculo de euro-deputados

    Quanto ao resto… desculpa companheiro Rodolfo, mas se há partido que eu não suporto é o Bloco. Não só por uma questão ideológica diametralmente oposta, mas também pela postura. São opiniões… Não é por seres bloquista que deixas de ser meu amigo… Se fosses bloquista e benfiquista, aí sim, tínhamos problemas.

    Abraço!

  • Rodolfo Maia says on: 16 de Junho de 2009 at 12:10

     

    1 – Não. Estou a falar de desemprego, falta de apoio sociais aos jovens, idosos. Estou a falar de casos Esmeraldas e Joanas. Estou a falar de Freeports, Cursos acabados ao domingo, tabus, orgias sexuais em Itália, 17% de desemprego em Espanha, coisas do género…
    2 – Sim e foram os partidos do Bloco Central que nos meteram em Otas e Alcochetes, IP’s, IC’s a torto e a direito. Repara que Portugal tem mais Km de AutoEstrada por habitante que a Alemanha. Foram os partidos do Bloco Central (não só em Portugal, mas na Europa inteira) que querem acabar com a nossa identidade e criar uma espécie de acordo no Tratado de Lisboa (por exemplo).
    3 – Excelente ministra das finanças??? Oh Pinheiro, for God sake… 🙂 Essa Sra. fez em Outubro de 2003 um Orçamento de Estado para 2004, que previa o TGV. Esse mesmo TGV que quer que o PS aborte. De facto, os ratos são sempre os primeiros a abandonar os navios…
    4.2 – O Bloco de Esquerda assim como alguns dos seus pares, nunca defendeu o aborto. Defendeu e continuará a defender a despenalização de quem o comete. Tu se queres fazer, fazes. Se não queres não fazes. Nunca aconselhou ninguem a fazer abortos. São coisas muito diferentes, que até mesmo pessoas que votaram “SIM” nos dois referendos que fizemos ainda não perceberam.
    4.3 – A muitos desses ciganos e “africanos” não lhe podemos dizer para se meterem num barco e irem para a Terra deles. E sabes porquê? Porque nasceram na Amadora, Almada, Seixal, Porto, Lisboa, etc. O próprio Eusébio era Moçambicano. O Obikwelu era Nigeriano.
    4.4 – Tu consegues imaginar os teus pais adoptivos (Heteros) a abandonarem-te?
    4.5 – Continuo sem provas do crime. Continuo sem ouvir nenhum bloquista a apoiar um criminoso.

    Já sabes que o meu lema é: “Antes morto, que vermelho” 🙂
    Uma vez um prof. de Física disse-me: “Tu tens cabelo de Extrema Direita, mas tens uma mente de Extrema Esquerda.” 🙂
    Grande abraço… 🙂

  • Pinheiro says on: 16 de Junho de 2009 at 12:19

     

    Só não percebo duas coisas:

    1 – Se acreditas mesmo que o país melhorava com o B.E. no Governo.

    2 – O que é que o abandono de crianças tem a ver com a adopção por casais homossexuais.

    P.S. – Em 2003/2004 a conjuntura nacional e internacional era diferente.

  • Rodolfo Maia says on: 16 de Junho de 2009 at 17:43

     

    1 – Acredito nas potencialidades das pessoas que estão no partido. Acredito na vontade e no querer. Acredito que sim, conseguiriamos. Para além disso já vimos o que “os outros” são capazes de fazer.

    2 – Estou-me a referir apenas ao abandono de crianças adoptadas e não a generalizar. Não estou a dizer que os homossexuais não o façam. Aplico aqui a ultima frase no primeiro ponto.
    Os homossexuais existem. Não vale a pena contrariar isso. E digo-te mais. Esse tipo de lei há-de sair, mais cedo ou mais tarde. É uma questão de tempo… (convicção minha) 🙂

    PS.: Sim a conjuntura era outra. Mas já se adivinhavam algumas coisas. A crise na construção neste triste pais começou nessa altura, p.e. Mas mais uma vez, o rato foi o primeiro a abandonar o navio (já em 2005) 🙂

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.