António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

“Abraço a Portugal” – Duarte Pestana

Junho 3rd, 2021

(texto inicialmente publicado no Facebook, a 8 de Maio de 2021)

Série Pestana – Fantasia n.º 3
Hoje é sábado e abro uma excepção nos meu próprios critérios editoriais, mas é por uma boa causa. Para dar continuidade à “Série Pestana”, tive que passar por esta obra.
“Abraço a Portugal” (1953) é a terceira fantasia de concerto de Duarte Pestana, e não é propriamente daquelas obras que se ouça muito por aí (acho eu).
Portanto, primeiro aplauso para a Banda do Pejão por ter “arriscado” gravar esta obra, deixando este registo para a posteridade.
De acordo com a Tese de Mestrado de Hernâni António Petiz Figueiredo “A forma da Fantasia nº3 de Duarte Ferreira Pestana traduz-se, genericamente, na divisão dos temas. Cada um caracteriza uma região do país: Angola (pertencia a Portugal
na data de composição), Algarve, Ribatejo, Beira Baixa, Beira Alta, Trás-os-Montes, Douro e Estremadura. Desta forma, o compositor faz corresponder cada tema de uma região a uma secção da obra, originando 8 secções. Além destas, contabilizam-se mais três secções (uma correspondente à Introdução e mais duas correspondentes à Coda) perfazendo um total de 11 da secção A à secção K.”
(espero que não venha ninguém tentar censurar a obra por incluir Angola no território português)
Confesso que não conhecia esta fantasia e só me arrependo. Mais uma vez, estamos perante uma obra belíssima, de fino recorte orquestral e harmónico.
E esta interpretação da Banda do Pejão, dirigida por Francisco Moreira, merece o nosso aplauso.

 

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.