António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

BMG

Outubro 14th, 2007

Há precisamente um ano atrás, a minha vida mudava. Vivia os primeiros dias de casado.

Numa altura da vida em que na nossa cabeça habitam inúmeras expectativas sobre o futuro, a última coisa que eu esperava era deixar a minha banda “de criação”, depois de uma época fantástica repleta de emoções, ao nível musical e humano.

Em algumas semanas esta situação mudou radicalmente e eu vi-me sem banda (continuei e continuo casado… muito bem casado!).

No meio de críticas, boatos, acusações e até alguns insultos, surgiu uma mão amiga que me conduziu à Banda Musical de Gondomar.

Abate-se sobre mim nova chuva de críticas: “podias ir para tantas bandas e vais para Gondomar? Estás doido?”

Já expliquei num artigo para o bandasfilarmonicas.com o porquê desta minha decisão. Entre outras coisas, a descrição que os meus amigos da BMG faziam do ambiente vivido na banda: “anda que aquilo é espectacular!”

Confesso que quando fui ao primeiro ensaio ia com medo daquilo que iria encontrar.

Rapidamente (muito rapidamente!) apercebi-me de que tudo o que me diziam sobre a BMG era mentira.

Primeiro, ao contrário do que se dizia por aí, a banda apresentava um nível bastante aceitável e com uma larga margem de progressão.

Segundo, o ambiente na banda não era espectacular. Era (e é!) simplesmente indescritível.

A época foi decorrendo e, a dada altura, dei por mim a pensar que a BMG é um excelente “case study” no universo filarmónico português.

Não sendo uma “banda de topo”, não tendo vedetas nos seus quadros, não andando por aí a dar nas vistas, apresenta uma série de particularidades que me fazem gostar dela cada vez mais. Gostar, não só do ponto de vista afectivo, como também de um ponto de vista mais racional. E é sobre esse lado mais racional que estou a escrever este artigo. É claro que não tenho o distanciamento suficiente para tecer comentários isentos e frios, mas é por essa agulha que me vou guiar. Sei que corro o risco se ser bastante mal interpretado nos próximos parágrafos, mas isso não me preocupa. Para mim, o importante é partilhar com todos vós aquilo que me vai na alma.

Na BMG, consubstancia-se a palavra “filarmonia”, no seu sentido etimológico puro – amor à música.

Sobrevivendo praticamente sem apoios financeiros, a BMG encontra as suas energias nos recursos humanos.

A começar pelo maestro, cuja competência e curriculum musicais são inquestionáveis mas que, para além das qualidades técnicas, apresenta surpreendentes qualidades humanas, nomeadamente no esforço que faz para que os músicos sintam orgulho no seu trabalho, independentemente das pressões e críticas externas à banda. O maestro é o primeiro a “atravessar-se à frente das balas” e a defender os músicos.

Isto vê-se na forma como conversa com os músicos, na forma como aponta as falhas, na forma como gere o ambiente e o cansaço das festas, nas palavras de incentivo antes e depois de cada serviço, no esforço que faz para que os seus músicos estejam sempre bem dispostos.

Depois, os meus colegas da BMG são filarmónicos extraordinários. Pelo companheirismo, pela entreajuda, pela pontualidade (coisa rara neste país!), pela dedicação ao emblema que trazem ao peito, pela solidariedade entre todos, dos mais novos aos mais velhos.

E este aspecto da solidariedade foi o que mais me marcou. Na BMG há sempre alguém disposto a ajudar. Isso vê-se em palco. Na BMG somos os primeiros a aplaudir os nossos colegas solistas e aplaudimo-nos uns aos outros. Os músicos incentivam-se mutuamente: “Força! Tu consegues! Vai! Bom trabalho!” E apoiam-se nas horas menos boas: “Para a próxima sai melhor! Deixa lá e anda beber um copo! Valeu o esforço!”

Por outro lado, apreciamos, respeitamos e aplaudimos o trabalho dos colegas de outras bandas que connosco se cruzam por esses arraias fora. Mesmo quando o inverso não acontece.

Todo este ambiente reflecte-se na qualidade musical da banda. Os músicos têm a humildade suficiente para reconhecer que ainda têm muito que aprender, mas não perdem o orgulho no seu trabalho e o brio em fazer mais e melhor é crescente.

É claro que há diferenças entre os músicos e relações boas e outras menos boas. É normal. Somos seres humanos.

Mas, quando subimos ao palco, as nossas diferenças ficam para trás e todos nos unimos para dignificar a nossa banda.

A meio da época houve uma semana crítica. Pensava eu que a boa disposição da banda iria sucumbir ao cansaço e ao desgaste de cinco romarias seguidas, praticamente “non stop”.

A meio de Agosto, tivemos serviço Domingo, Quarta, Sexta, Sábado e Domingo. Foram serviços desgastantes do ponto de vista físico e psicológico, serviços de grande responsabilidade musical.

Um desafio que a banda superou de uma maneira que a mim me deixou de “boca aberta”. No último dia desta maratona não havia ninguém a resmungar, ninguém a protestar, ninguém a reclamar, ninguém “de trombas”. Todos nós estávamos sorridentes e bem dispostos. É claro que bastante cansados. Contudo, o cansaço físico em nada afectou a entrega e o empenho dos músicos.

Foi nessa altura que me apercebi que alguns meses antes tinha feito a escolha certa. Não há dinheiro que pague as emoções que o nosso coração vive. Não há concurso, prémio, reconhecimento público que nos faça sentir acolhidos e acarinhados, como eu me sinto em Gondomar.

Ontem, quando a última festa do nosso calendário terminou, não sabia se rir ou se chorar. Foi um dia de emoções fortes, intensas, que nos deixam arrepiados.

Enquanto o palco era desmontado senti uma enorme nostalgia e vi o filme desta época passar-me em frente dos olhos. Sabia que não ia aguentar as lágrimas por muito mais tempo.

Procurei, aquela mão que me tinha levado até ali. Olhamo-nos nos olhos e trocamos um abraço. Pelo menos para mim, aquele abraço representou muito. Representou um agradecimento por tudo; representou um “conta comigo”; representou um “adoro tocar aqui.”

De seguida, procurei a minha mulher. Sorri e estendi-lhe a mão. “Vamos?”

Um ano de casado. Um ano de BMG.

Para repetir, por muitos e longos anos!

 

(texto escrito a 8 de Outubro de 2007)

Comments

4 Comments

RSS
  • Andreia do Flautim says on: 14 de Outubro de 2007 at 22:03

     

    Fizeste muito bem!

  • Catarina Barbosa says on: 2 de Novembro de 2007 at 11:33

     

    É bom saber que estás feliz… beijinhu 🙂

  • Rui Pereira says on: 3 de Novembro de 2007 at 19:02

     

    Olá Pinheiro!

    Fiquei arrepiado com as tuas palavras!
    É mesmo indiscritível o que se vive na BMG!

    Tal como tu, na ultima festa, depois de tudo arrumado, olhei para o vazio palco e senti uma frustração pelo facto de a época já ter acabado… Eu ainda queria mais, ainda queria conviver mais com o pessoal, mais ensaios… mais BMG!

    Obrigado por fazeres parte deste grupo!

    GRANDE ABRAÇO

  • Catarina says on: 24 de Janeiro de 2008 at 21:47

     

    tinha k ser…. o rukinha emocionado….lol… a olhar para o vazo palco… nao a serio… esta foi profunda… profunda eazia….loli

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.