António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.

As flores

Agosto 16th, 2009

Quando a dor o fustigava e olhava impotente para as feridas que o matavam, encontrou um jardim.

O suave aroma daquelas flores, rapidamente, o fez esquecer que sangrava, amenizou-lhe a dor e pintou um novo sorriso no seu rosto.

Deliciou-se com o calor daquelas pétalas. Colheu-as apenas com o olhar, pois nada o faria arrancar tal candura àquela terra.

Agradeceu sorrindo e tornou-as suas.

 

(dedicado à Filipa, à Mafalda, à Rita e à Sara )

Comments

3 Comments

RSS
  • Mafalda says on: 16 de Agosto de 2009 at 22:01

     

    Es GRAAAAANDE!!

    Depois de um fim de semana como este ainda tens tempo para um poemasinho!

    És mesmo o maior!!!

  • Rita says on: 17 de Agosto de 2009 at 20:28

     

    Como a Mafaldinha diz, és mesmo GRANDE!
    Que poema magnifico e ainda dedicado a nós. Tenho orgulho de ter um poema dedicado a mim e a elas do GRANDE António Pinheiro!
    A música dá asas á nossa imaginação e quem anda por gosto nunca cansa é por isso que no final do dia deste grande fim de semana estavamos com um grande sorriso no rosto e sempre prontos a dar o nosso melhor. Obrigado pelo poema 😀

  • filipa says on: 18 de Agosto de 2009 at 20:15

     

    Como a Mafalda e a Rita dizem tu és mesmo GRANDE!!!

    Tornas os fins-de-semana em alegria constante, mesmo quando estão a ser uma seca constante.
    Contigo não existe a frase “Estou Cansado”, mas sim existe “Vamos lá, eu sou capaz”, é muito bom aprender contigo, és um óptimo exemplo a seguir!!! Obrigado pelo poema! 🙂

António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.